Culinária Viking chega a BH: um pouco da história e sabores destes intrépidos guerreiros nórdicos

Eventos , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Intrépidos e exímios navegantes, os vikings são uma emblemáticos em todo mundo. Exploradores, guerreiros e destemidos, estes povos nórdicos colonizaram grandes áreas da Europa entre os séculos XVII e XVIII..

Usavam embarcações conhecidas como dracares para navegar. A “Era Viking” é história de muita curiosidade, amplamente explorada pelo cinema e séries. Instalaram-se na Groelândia, escandinávia, Irlanda, GerMãnia,  Gr~-Bretanha, chegando até a Rússia e Ásia.

Mas, os guerreiros do norte, muitas vezes tem concepções populares. A fama dos vikings de brutos e violentos ou intrépidos aventureiros devem muito ao mito viking moderno que tomou forma no início do século XX. As atuais representações populares são tipicamente de homens rudes e rústicos, mas eles  também fundaram povoados e fizeram comércio pacificamente. A imagem histórica dos vikings mudou um pouco ao longo dos tempos, e hoje já admite-se que eles tiveram uma enorme contribuição na tecnologia marítima e na construção de cidades.

O interesse por estes povos, inspirou a Série “Vikings”, drama histórico escrito e criado por Michael Hirst. Cena de divulgação da Série Vikings, abaixo:

Na gastronomia, sua contribuição foi grande, já que eles absorviam muitas das técnicas dos povos que conquistavam. “Os vikings utilizavam muitos vegetais e legumes que eles mesmos cultivavam nos poucos meses quentes do ano no Norte da Europa. Muitas frutas também são utilizadas nos preparos de pratos quentes, o que faz com que o agridoce e o refrescante estejam sempre presentes. E como estavam sempre em contato com o mar, o peixe era uma das principais fontes de proteínas desse povo. Enfim, é uma culinária com muitos ingredientes naturais e saudáveis, bem diferente do que é mostrado em filmes que retratam a época”, afirma o especialista, chef Kiki Ferrari.Para surpresa de muitos, há inclusive pratos veganos à moda escandinava.

Quando realizavam saques em povos das mais variadas regiões do mundo medieval, os vikings estavam à procura não só metais preciosos e dinheiro. “Eles também incorporavam no seu dia a dia parte da gastronomia do local. Isso explica, por exemplo, o uso de temperos de origem asiática e mediterrânea, da chamada Rota das Especiarias, entre os nórdicos. Essa mistura fez com que a cozinha viking tivesse várias influências e se tornasse extremamente rica e diversificada”, pontua. Engana-se quem acha que a gastronomia viking é marcada apenas por pratos enormes, com fartas porções de carne de caça, muita gordura e com pouca técnica de preparo. A cozinha nórdica, pelo contrário, abusa dos ingredientes encontrados na natureza ou cultivados pelo homem, além de utilizar técnicas sofisticadas de preparo dos alimentos que influenciaram várias culturas ao redor do mundo, como a defumação, por exemplo.

A Svärten Mugg, chega a BH trazendo este gostinho histórico e peculiar. Entre os pratos estão:  Niflhein Fisk (conserva de peixe branco curado, com limão-siciliano, cebola roxa e dill);  e o Kroens Fisk (filé de peixe marinado e empanado com cereais e cerveja, acompanhado de batatas rústicas e creme de camarão). Entre as carnes, destaque para o Dimmuborgir Schnitzlar (ma foto em destaque: grande bife de carne de porco à milanesa, que passa dos 500 gramas, servido sobre uma montanha de batatas rústicas, acompanhado de limão siciliano e um molho picante que leva mel, mostarda e curry).

 Quem quiser provar estas delícias da culinária nórdica, pode conhecer a Svärten Mugg Taverna, que fica à Rua Santa Rita Durão, 1056, na Savassi. O ´funcionamento é de terça a sexta (de 18h às 0h) e sábado (de 18h às 2h).

Acima: Niflhein Fisk

Acima: Kroens Fisk

Acima, o Dimmuborgir Schnitzlar

Fotos de Dilson Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *