Pitza 1780 tem proposta inovadora e chancela de Eduardo Maya e Henrique Michel

É Top , , , , , , , ,

Pizzas a R$ 18,90, com alta qualidade, ingredientes frescos, preço justo e um novo conceito de autosserviço.

Com essa proposta inovadora, chega à Savassi a Pitza 1780, uma pizzaria localizada na Rua Antônio de Albuquerque, 749. O empreendimento é capitaneado pelos sócios Eduardo Maya, idealizador de importantes projetos que valorizam a culinária mineira, como o Projeto Aproxima, e Henrique Michel, consultor de planejamento estratégico e gestão – ambos com mais de 20 anos de experiência em gastronomia.

Na Pitza 1780, os clientes terão cinco opções de sabores de pizza (todas no tamanho de 30 cm) e um de stick (massa comprida de pizza e recheada). O preço único é R$ 18,90. Os primeiros sabores oferecidos são Margherita, Pesto de Baru (uma castanha do Cerrado), Da Horta (com verduras frescas, como abobrinha, tomate cereja e cebola roxa), Calabresa, Lombinho com Bacon e Stick de Calabresa. Para beber, cerveja Heineken long neck (R$ 7), refrigerante, suco e água (R$ 5).

Uma das premissas foi buscar alguns dos melhores fornecedores locais, que poderiam suprir a demanda da Pitza 1780 com regularidade, qualidade e padrão. “Isso foi fundamental para chegarmos numa pizza de alto nível e com excelente custo-benefício”, explica Henrique Michel.

Exemplos disso são os vegetais orgânicos fornecidos pela Fazenda Vista Alegre, as ervas que são trazidas por uma cooperativa de pequenos agricultores de Ibirité, o uso de queijos das principais regiões produtoras de Minas Gerais, entre outros. “Os tomates que utilizamos no molho são colhidos maduros, coisa rara de se encontrar no mercado. Isso realça muito mais o sabor e faz toda diferença”, reforça Eduardo Maya, que pessoalmente cuidou da curadoria dos fornecedores. E somado à qualidade dos ingredientes, está a melhor técnica para o preparo de uma massa de pizza fina e leve, que descansa no mínimo 24h.

Outra característica marcante da Pitza 1780 é o serviço ideal para quem quer pegar uma pizza ou stick para levar ou sentar rapidinho para comer. Um totem digital tira o pedido do cliente e faz a cobrança. Na mesma hora, a cozinha já sabe qual pizza entregar e em até 10 minutos a massa é aberta, montada, assada e entregue ao cliente. As bebidas compradas são retiradas do freezer pelo próprio cliente. Não há garçom nem pratos de cerâmica e talheres (a não ser que o cliente solicite). A ideia é comer com as mãos, como se faz na Itália.

Um deck com três mesas foi criado na área externa. Na parte interna há uma mesa comunitária e mais banquetas altas fixadas no chão. Isso não só facilita a arrumação do local, já que não há garçons, como também torna o layout do espaço facilmente replicável, já que a ideia dos sócios é expandir a marca para outros pontos da cidade. O projeto de arquitetura foi assinado por Julia Longo, que entre os desafios de criar um ambiente industrial com estas características ainda inseriu a preocupação com a sustentabilidade – em uma das paredes, o revestimento cimentício foi desenvolvido com rejeito de minério de ferro, o que mostra a possibilidade de reutilizar essa lama gerada pela atividade mineradora que impacta negativamente o meio ambiente.

Anota aí:
Pitza 1780
Rua Antônio de Albuquerque, 749 – Savassi
(31) 3223-6611

Horário de Funcionamento:
Segunda a Sexta – 11h às 21h
Sábado – 11h às 19h

Fotos de Victor Schwaner

Com:

#blimabrachet
@b

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *