Exposição em Juiz de Fora faz homenagem ao Barroco Mineiro

É Top , , , , ,

A arquitetura do barroco mineiro é homenageada na mostra “Contemplação de Ouro Preto”, que será inaugurada  na galeria Convergência do Museu de Arte Murilo Mendes (MAMM), nesta quarta-feira, 4 de outubro, às 20h. A exposição apresenta poemas de Murilo Mendes, acompanhados de 37 obras de dez artistas.

O clima barroco se apresenta ao visitante com o pórtico da Igreja de São Francisco, milimetricamente reproduzido à entrada da galeria. Ao abrir as portas que dariam para a nave da igreja, o que há é o espaço da galeria, todo decorado em violeta e cinza.

Ecoando pelo cenário está o Canto de Santa Verônica, dizendo: “O vos omnes / Qui transitis per viam,/ Attendite, et videte / Si est dolor similis sicut dolor meus./ Attendite, universi populi Et videte dolorem meum.”  (Oh vós todos /Que passais pela via,/ Vinde e vede: Se há dor semelhante à minha! /Atentai, povos do mundo,/ E vede a minha dor).

Servindo como um intróito aos visitantes, a canção prepara o caminho da exposição, que agora não é o da Via Sacra, mas o das ruas de Ouro Preto. No início, um quadro em técnica mista de Fernando Lucchesi apresenta o Museu da Inconfidência, um dos símbolos de Ouro Preto. Logo abaixo, numa vitrine, estão expostas edições do livro de Murilo que inspiram a mostra e fotos suas, acompanhado por sua mulher, Maria da Saudade Cortesão, em diversos pontos da cidade. Também na vitrine, um trabalho contemporâneo de Ricardo Homem alude ao período aurífero que deu origem e fama à cidadela.

Nesse ponto, o visitante já enxerga ao final do corredor o altar da Igreja dopoverello de Assis, pintado pelas mãos de Carlos Bracher. O quadro faz parte de uma série dedicada aos 200 anos da morte de Aleijadinho, mas o caminho que leva até a seção com os trabalhos de Bracher é calcado pelas fotografias do médico Murilo Spinelli Pinto. “Da pedra o antigo testemunho se levanta”, diz um dos versos do poema “Motivos de Ouro Preto”, que enquadra o recorte. Ali,  15 fotos apresentam os detalhes arquitetônicos da cidade barroca: a pedra das ruas, os telhados, as janelas e luminárias à entrada das casas; as aldravas, o capitel das colunas, as correntes, os sinos e as Igrejas. O estilo barroco encarnado na arquitetura. Nas paredes, o poema muriliano recordando a força histórica do local:“A experiência de sombras traslada… A presença do tempo traduzindo. O silêncio ao silêncio se juntando. Nesses becos e vielas embuçados/ A reunião de natureza e arte /Por um gênio severo combinada.(…) /Despojando de efêmeros enfeites / A pátina paciente de Ouro Preto sobre aparências estendendo um véu: Tudo aparelha a mente para morte…”

 

Cosmovisão

Em “O canto alternativo das Igrejas” aparecem seis obras de Carlos Bracher, todas em óleo sobre tela. Seus temas são quase todos religiosos: O altar da Igreja de São Francisco, O retábulo do altar-mor da mesma Igreja, Cristo com raios, Aleijadinho esculpindo a Cristo, Cristo no Horto das Oliveiras e Nossa Senhora das Dores. Nas obras de Bracher há um interessante efeito técnico: as figuras retratadas se apresentam nitidamente apenas quando olhadas à distância. De perto mostram-se distorcidas. Analogia perfeita com a cosmovisão do autor de “Tempo e Eternidade”.

Na estética muriliana, as coisas temporais são vistas de modo metafísico. Os objetos do sentido são transfigurados pela perspectiva religiosa. O distanciamento temporal e a perspectiva da vida após a morte dão a devida medida das coisas. Tal qual em algumas obras de Bracher expostas em “Contemplação de Ouro Preto”,  a proximidade cega, e à distância é possível enxergar o panorama onde tudo se encaixa.

Do artista também há Ouro Preto retratada numa visão do alto, vista em unidade. O trabalho, feito no final da década de 1960, denota o ambiente lúgubre do município, que, para além da riqueza e opulência, também abrigou o vício da ambição dos mineradores e o sofrimento dos escravos. No poema que acompanha a obra, diz Murilo Mendes: “Desponta o primeiro espectro/ Duas algemas arrasta/ Veste a camisa marcada/ Dos criminosos infames/ Conversando o Crucifixo/ Logo a morte se descobre…”

Diante das obras de Carlos Bracher estão os quadros de Fani Bracher: dois óleos sobre tela sem títulos, ilustrando o poema “Flores de Ouro Preto”, dedicado a Cecília Meireles. Os trabalhos remetem também ao sofrimento e à morte que fizeram a história ouro-pretana: debaixo dos morros da cidade, pilhas e pilhas de ossos humanos amontoam escombros. Da artista ainda há “Mineração III”que mostra as colinas lixiviadas da cidade, obra acompanhada do poema “Montanhas de Ouro Preto”, dedicado a Lourival Gomes Machado. Delas diz o poeta: “Desdobram-se as montanhas de Ouro Preto/ Na perfurada luz, em plano austero./ Montes contempladores, circunscritos/ Entre cinza e castanho o olhar domado.”

 

Perspectivas

Seguindo o corredor, estão três cerâmicas de Hélio Siqueira, sendo uma coroa de espinhos e duas Pietás. A dor da Virgem Maria ao enterrar o Filho-Deus também aparece em duas outras pinturas do mesmo Hélio Siqueira, que são acompanhadas pelo “Dispositivo para rever a paixão de Marcier”objeto de autoria de Ricardo Cristofaro. Interessante notar as diferentes perspectivas da mesma cena, feitas pelas mesmas mãos: duas em cerâmica e outras duas em óleo sobre tela.

Mater Dolorosa reaparece no centro da galeria, em outro trabalho de Carlos Bracher,  o qual é acompanhado por uma imagem de Nossa Senhora das Dores e outra do Divino Espírito Santo, simbolizando a devoção popular.

Também no centro da galeria, está a obra-objeto de Paulo Alvarez, que representa um altar popular comum nas cidades do interior, com flores e diversos objetos de devoção: escapulário, flores, terços, velas e ex-votos. Acima do altar está o Cristo Crucificado, em madeira entalhada, de Zilah Consentino, e os objetos-alegoria da Paixão de Cristo, de Fani Bracher.

No final do circuito expositivo, o visitante reencontra a fonte musical que embala seu percurso. Um sudário com a face de Cristo representada, pertencente à Arquidiocese de Juiz de Fora, está exposto nesse setor, ladeado por dois monitores de vídeo – um deles com uma encenação da Via Sacra – Santa Verônica enxugando o rosto do Cristo banhado em sangue, fixando sobre o manto o rosto do Homem-Deus -, normalmente representada na Quaresma, e o outro com diversas representações de Santa Verônica e do Sudário ao longo da história da arte.

Criando uma ponte entre os mártires do passado e recentes, ao final do trajeto está uma obra de Arlindo Daibert, alusiva ao  Tiradentes Esquartejado de Pedro Américo, na qual,  marcados com o triângulo símbolo da Inconfidência, estão diversos heróis da história do país.

 

Busca

“Contemplação de Ouro Preto” surge no Museu de Arte Murilo Mendes sob o signo da Cruz de seu patrono. Na haste horizontal, a busca pela inseparável relação entre os tempos e os lugares; no sentido vertical, o diálogo com o princípio essencial da humanidade. Com efeito, o poema “Romance das Igrejas de Minas” demonstra o objetivo da busca do poeta juiz-forano nesta cidade tipicamente mineira: “Minha alma sobe ladeiras, minha alma desce ladeiras, com um candeia na mão, procurando nas igrejas, da cidade e do sertão, o Gênio das Minas Gerais… Estes ares salutares, lavados, finos, porosos, minerais essenciais. Este silêncio e sossego. Estas montanhas severas, esta antiga solidão, com o sinal do seu lirismo, com a cruz da sua paixão.”

 

 

Exposição “Contemplação de Ouro Preto

Abertura: 4 de outubro (quarta-feira)

Horário: 20h

Artistas: Arlindo Daibert, Carlos Bracher, Fani Bracher,  Fernando Lucchesi, Hélio Siqueira, Mauro Spinelli Pinto, Paulo Alvarez, Ricardo Cristofaro, Ricardo Homem, Zilah Consentino

Galeria Convergência

Local: Rua Benjamin Constant, 790, Centro, Juiz de Fora – Museu de Arte Murilo Mendes (MAMM)

Visitação: de terça a sexta, das 9h às 18h

sábados, domingos e feriados, das 12h às 18h

Entrada Franca

Outras informações: 3229-9070 (MAMM)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *