Antônio Faleiro Neto: como o jovem herdeiro conseguiu salvar e reinventar uma das marcas mais tradicionais de BH

É Top , ,

Quem nunca ouviu falar no buffet Faleiro? Aberto em 1952, o empreendimento foi pioneiro no ramo e era presença obrigatória nas festas e eventos mais elegantes da capital mineira. Ele foi criado por seu Antônio Faleiro, que foi maître da Confeitaria Colombo no Rio de Janeiro.  Mas quis o destino, que o negócio de três gerações caísse prematuramente nas mãos de um outro Antônio, o neto do fundador.

Com apenas 23 anos, recém-formado em administração, Antônio Faleiro Neto se viu órfão do pai e com um negócio a gerir. Jovem, assumiu a presidência, mesmo diante do receio dos diretores. Com talento e afinco, não só ganhou a confiança da diretoria e dos trabalhadores, como mudou os rumos da empresa: “Meu pai sempre me colocou para trabalhar. Muito antes disso, eu já tinha muita vontade de empreender. Queria ganhar meu próprio dinheiro. Aos 10 anos eu e um amigo começamos a criar codornas para vender ovos. Começamos a vender para o nosso prédio, depois  passamos a vender para o bairro”, lembra ele.

Hoje, aos 29 anos, Antônio Faleiro Neto é um empresário de sucesso. No ano passado, tomou uma decisão arriscada: decidiu fechar o buffet depois de 63 anos de funcionamento.

Agora, dedica-se à  Faleiro Food Service, empresa que  cresceu no mercado de salgados, refeições e sobremesas congelados e teve seu faturamento multiplicado. Na contramão da crise, os números mostram que o jovem tomou o rumo certo: em 2016 o crescimento, somente no segundo semestre, foi de 32%.  Com novas técnicas e novas linhas, como a de congelados light, firmou novos parceiros, como a rede de drograrias  Araújo.

Confira tudo no bate papo com Antônio Faleiro Neto.

BB – Você assumiu a Faleiro Food Service aos 23 anos. Qual foi sua experiência profissional antes disso?

AFN – Aos 16 anos entrei na empresa. Fiz de tudo um pouco. Trabalhei com mala direta, departamento pessoal, financeiro, telemarketing, produção, logística e vendas. Com a morte de meu pai acabei tendo que assumir o controle da empresa. Neste período eu trabalhava no mínimo 15 horas por dia, inclusive finais de semana, para que pudesse conhecer de uma forma mais ampla todos os setores.

BB –  Como se deu a transformação do buffet para a indústria?

AFN – O buffet Faleiro foi o primeiro de Belo Horizonte, aberto em 1952. Trouxemos a primeira máquina de congelamento da Itália em 1997, foi quando houve o desdobramento do Faleiro Buffet para o Food Service. Conquistamos um grande mercado nesta área. Como tínhamos expertise em salgados para festa nossas receitas caíram no gosto dos donos de lanchonete e seus clientes. Fomos um dos pioneiros no congelamento ultra-rápido que não perde as propriedades dos produtos e nem o valor nutricional e não tem absorção de água. Mesmo com a indústria continuávamos a manter o buffet que foi o início de tudo.

BB –  E como vocês inseriram o negócio de refeições prontas no catálogo de produtos?

AFN – Temos um importante cliente de food service que em 2012, pretendia lançar uma nova linha em seu portfólio que fosse prática e tivesse apelo caseiro. Fomos uma das primeiras indústria a desenvolver a linha de pratos prontos completos, ou seja, com carne e acompanhamentos, aquecidos na mesma embalagem. Logo quando finalizamos todos os investimentos em maquinários e fechamos com os fornecedores,  constatamos o real potencial da linha, que rapidamente foi incorporada a grandes nomes do varejo com o início das marcas próprias.

Antes de iniciarmos a produção dos pratos prontos, os salgados representavam 100% do nosso faturamento. Hoje, os salgados correspondem a 60% da linha; 25%  são de pratos prontos; e 15%  correspondem às sobremesas. Temos produtos exclusivos no Brasil, que é o caso do pudim congelado, produto sem conservantes, que tem 150 dias de validade. Outro produto exclusivo é o brigadeiro de colher, o item mais vendido da linha.

BB –  Como a Faleiro Food Service está atenta às demandas de mercado?

AFN – Estamos sempre desenvolvendo pesquisas e buscando aprimorar nossos produtos, realizamos de 15 em 15 dias avaliações de produtos concorrentes e inovadores. Foi assim que fomos atrás de uma técnica de fechamento de embalagens denominada atmosfera modificada. Essa é uma tecnologia que amplia a vida dos produtos. No Brasil, a Faleiro é a única a utilizá-la em uma linha de salgados. Desta forma, aumentamos a durabilidade do produto em refrigeração de 24 horas para 14 dias, sem qualquer perda de sabor e qualidade e sem utilização de conservantes. Neste ano também inauguramos um setor de pré-pesagem que evita desperdícios e elimina possibilidades de contaminação por embalagens. Também garantimos a rastreabilidade de todos os nossos produtos. Isso significa que sabemos quais ingredientes foram usados, de quais fabricantes e os lotes de matérias-primas utilizados. Trabalhamos com uma equipe de engenheiros de alimentos, engenheiros de produção, chefes de cozinha e nutricionistas para garantir o controle dos processos produtivos. Além disso, contamos com laboratório interno que faz análises desde a matéria prima até o produto final.

BB – Quais são as novidades da marca?

AFN – Lançamos produtos light da linha de refeições prontas: o canelone de abobrinha e escondidinho de batata doce com frango. O primeiro tem 30% menos sódio e 26% a menos de calorias;  e o escondidinho de batata doce tem redução de 32% de sódio e possui baixo teor de gordura. Lançamos também o filé de frango ao molho de mostarda com arroz primavera e purê de batata baroa.

BB –  Quais foram os resultados desse ano e quais os planos da Faleiro Food Service para o futuro?

AFN – A nossa expectativa é de fecharmos o ano de 2016 com um crescimento superior a 40% frente a 2015. Atualmente a cada 10 pontos de vendas de lanchonetes que terceirizam a fabricação de alimentos em Belo Horizonte, 8,3 possuem algum dos produtos Faleiro. Para os próximos anos desejamos continuar investindo e apresentar ao mercado cada vez mais produtos com apelo caseiro, livres de conservantes. Queremos estar presentes na mesa de nossos consumidores desde o café da manhã ao jantar. Também estamos de olho nos mercados dos  Estados Unidos, México e Chile.

Foto: Rafael Carrieri

Texto

#blimabracher @blimabracher
#blimabracher @blimabracher

2 thoughts on “Antônio Faleiro Neto: como o jovem herdeiro conseguiu salvar e reinventar uma das marcas mais tradicionais de BH

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *