Queria todas as mulheres em mim

Crônicas com Café , , ,

Queria sorrir como Larissa e Letícia, queria gargalhar como Lucianas, queria dançar como Paula e flanar como Fernandas.

Queria cantar como Sílvia e encantar como Tatiana. Queria existir como Cláudia, enxergar como Karla, encarar como Gláucia e temperar como Ione.

Queria posar como Cione e enfeitiçar como Caridy, queria enfrentar como Rose e ser artista como Fani.

Queria ser grande como Nívea e ser suave como Celina,  ser família como Cecília, ler como Stella, e  raciocinar como Cristina.

Queria o mistério de Sissi e a pureza das Aninhas e também a grandeza de Elianes (corações ruivos como elas).

Queria a graça de Marinas e sublimar como Luízas.

Queria o cheirinho de fogão de Íris e fazer sonhos como Detinha.

Queria rir como Karinas, queria a doçura das Simones , queria a profundeza de Daniela. E divar como Raquel. E a alegria de Leila e hipnotizar como Juliana.

Talvez o agridoce sabor de Eunices, e o perfume de Rosas Marias.

Queria o nome de Maria.

Queria sentir o gosto da vida como Lucianas (novamente, e também ser unânime como elas),

Quem sabe ser moderna como Paolla e ter a força de Thaís.

Queria a jovialidade cativante e serena de Lara e Laís e a maturidade de Anna Magdalena. A postura de todas juntas.

Queria  receber como Lilli e cachaçar como Cida e ser firme como Sônia. Queria olhar como Zezé.

Queria a nossa infância de volta.

Queria ser casta como Fidélis e irreverente como Nice.

Queria o enigma de Adrianas, e a popularidade de Patrícias. Queria a pompa de Anas Cláudias e a renovação de Ondinas.
E ter o borogodó de Madus, Manus e Lus.
E o charme de Vanísia.
E a santidade de Deth.
E a cordialidade de Beatrizes…
E a amizade de Giseles
E ser vizinha como Zelinha e contar com as Rochas de suas raízes.
O que dizer das Márcias, Fátimas e das Camilas?
E ser épica como Helena.
E histórica como as Marílias. E as Inas.
E cativar como Priscillas.
Queria ser esposa como Lúcias e orar como Dalvas.
E quem me dera ser prendada como Lucy?
Queria a lealdade de Susans. E ser mãe como as Grégios. Queria esquentar como as Caldeiras.
E ser Lícias.
E sábia como Hermengardinha.
E elegante como Bianca.
E ser pintora como Emiliana.
E contar contos como Ângela.
E ser querida e caçula como Ivy.
Queria ser prateada como Dora e dourada como Auroras.
E guiar o mar como Guiomar.

E ser bonita de A a Z.

Queria as glórias de Glórias e as vitórias das Vitórias.
Queria afagar como Elizabeths e ser lady como Macbeths.
Queria a sensatez e a insensatez de todas.
E queria sambar como as rainhas.
E desfilar como Brunets.
E o carisma de Sabrinas.
E o talento de Elviras.
E o coração de Lótus.
E como me esquecer de ser maravilhosa como Maras e Marianas?
Também Elisas, Idunas, Bracheres outroras e vindouras.
E ser artista no nosso convívio.
Mas sou apenas e, apesar de tudo, Blima.
Com este olhar profundo e vesgo. E emoldurado com muitos pelos…

 

 

9 thoughts on “Queria todas as mulheres em mim

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *