Festival de Inverno invade Ouro Preto em julho com ações do IPHAN e atrações para a criançada

Agenda Cultural, Em Ouro Preto , , , ,

Um dos maiores festivais do país, o Festival de Inverno é realizado desde a década de 1970, em Ouro Preto, se destaca pela variedade de atrações e pelo extenso período que corre por quase todo o mês de julho, promovendo cultura e arte com a integração universidade, comunidade local e visitantes.

A convite da estação e do período de férias, curtir o Festival de Inverno em Ouro Preto se torna um atrativo a mais com a baixa temperatura, o charme da cidade aumenta a movimentação de turistas. Considerada alta temporada, durante os fins de semana de julho, a taxa de ocupação nos meios de hospedagem fica em torno de 70 a 80%, sendo que a média mensal demonstra 40 a 60% de hóspedes, de acordo com os dados da ABIH – Ouro Preto.

O Festival de Inverno traz diversas atividades artísticas e culturais como shows, concertos, dança, teatro, oficinas, exposições, mostras de filmes, intervenções urbanas, mesas de debate e trilhas na natureza, o evento ocorre entre os dias 06 a 22 de julho nas cidades de Ouro Preto, Mariana e João Monlevade.

Com o tema Tropicalismo, a 51º edição do Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana – Fórum das Artes comemora os 50 anos do álbum Tropicalia ou Panis et Circencis. O movimento que marcou o país modificando o cenário da música popular brasileira e da cultura nacional nos anos registrados entre 1967 e 1968.

De 06 a 08 de junho as apresentações musicais comemoram o aniversário da cidade, que é celebrado no dia 08 de julho, na Praça Tiradentes, com as bandas: Revelação às 22h no dia 06, Babado Novo às 22h no dia 07, a atração infantil Pop Leco, às 15h e Rubinho do Vale, às 18h, no dia 08.

O Festival de Inverno de Ouro Preto é uma realização da UFOP –  Universidade Federal de Ouro Preto, em parceria com as Prefeituras Municipais de Ouro Preto e Mariana e a Fundação Educativa de Rádio e TV Ouro Preto (FEOP).

Confira todos os detalhes e a programação no site do festival: http://festivaldeinverno.feop.com.br/

As inscrições poderão ser feitas pelo site do evento

Tradicionalmente, as oficinas são atividades de destaque do Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana – Fórum das Artes. Elas se sobressaem como uma possibilidade do contato com as diversas formas do fazer artístico e educacional e são voltadas tanto para iniciantes como para pessoas que já tenham experiência.

Neste ano, são disponibilizadas mais de 800 vagas em oficinas das curadorias de Artes Cênicas, Música, Patrimônio, Artes Plásticas e Infantojuvenil, além das atividades ligadas a Tradições Populares e pelas ações Caravana Festival e Potência Periferia.

Em Mariana, o destaque fica por conta das oficinas de Artes Cênicas O grito do corpo nas ruas que falam, ministrada por Eduardo Batista, e Mariana Olhares (Im)Possíveis, por André Nascimento e Arthur Medrado. Na mesma curadoria, ainda serão oferecidas as oficinas Práticas de criação e videodança: uma introdução, por Leonel Brum e Andréa Bergallo Snizek; Commedia dell´Arte: a escola do ator, com Frederick Magalhães Hunzicker; Como produzir para si um Corpo desembestado?, por Matheus Silva; O que pode o encontro? – um exercício coletivo e expandido de criação, de Flaviane Magalhães; e Musicalização corporal: um encontro entre dança e música, com Jussara Braga Bastos.

Análise e improvisaçãoTrilogia dos tambores brasileiros; Canto Popular – Samba e Choro; e Musicalização na escola – Uma análise Sensorial são as oficinas da Curadoria de Música. Já nas Artes Plásticas, a Fundação de Arte de Ouro Preto (Faop), responsável por essa curadoria, ministra as oficinas Tropicaluras: Gravuras tropicais; Ateliê Aberto de Serigrafia; Apropriação e Criação: arte em trânsito, transição e transposição; Colódio Úmido – Uma Experiência Visual; e Estética barroca e desdobramentos contemporâneos no desenho.

Duas atividades marcam o âmbito do Patrimônio: Nas veias de Ouro Preto, com Lucas Gontijo de Godoy, André Castanheira Maia e Marcello Baia Nicolato; e Cidade, memória, afetos e afetações, por José Márcio Barros. O público infantojuvenil também tem espaço no Festival de Inverno, com cinco oficinas: O que você quer saber sobre o corpo humano?Criando com sombrasUma dança para vocêLudi-Cidade: o lúdico no espaço urbano; e Ouro Preto – Paisagens psicodélicas.

Com a temática das Tradições Populares, o Festival ministra seis oficinas, como técnicas especiais de artesanato, ritmos e poesias e atividades com o Zé Pereira do Club dos Lacaios. No Complexo da Juventude e na Ocupação Chico Rei, Potência da Periferia oferece 15 oficinas.

Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana – Fórum das Artes 2018 ocorre de 6 a 22 de julho, sendo uma realização da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), em parceria com a Fundação Educativa Ouro Preto (Feop) e as Prefeituras de Ouro Preto e João Monlevade. Mais informações estarão disponíveis nos sites www.ufop.br e www.festivaldeinverno.ufop.br.

Serviço

Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana – Fórum das Artes 2018

Oficinas

Ouro Preto e Mariana

6 a 22 de julho

Vasta programação gratuita ou a preços módicos (R$10)

Festival de Inverno – Fórum das Artes 2018 – João Monlevade

9 a 14 de julho

 

Site do Festivalfestivaldeinverno.ufop.br

Fotos de edições passadasflickr.com/festivaldeinverno/

IPHAN de Ouro Preto presente

no Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) de Ouro Preto,  é parceiro do Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana, realizado pela Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), em parceria com a Fundação Educativa Ouro Preto (Feop) e as prefeituras de Ouro Preto e de João Monlevade. Responsável pela curadoria de Patrimônio, o IPHAN, por meio da Casa do Patrimônio de Ouro Preto, traz para a edição de 2018 duas oficinas e o seminário 80 anos de Ouro Preto Patrimônio Nacional: desafios e perspectivas.

 

Seminário tem como objetivo discutir os desafios do tombamento de Ouro Preto e a integração dos patrimônios material e imaterial. A proteção do maior conjunto urbano barroco do mundo está em pauta, a partir dos variados ângulos que visam o desenvolvimento integral das áreas cultural e econômica. Participam do Seminário George Alex da Guia (analista de infraestrutura em exercício descentralizado no Departamento do Patrimônio Material e Fiscalização-DEPAM/IPHAN), Michele Abreu Arroyo (presidente do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais – Iepha), Zaqueu Astoni Moreira (secretário de Cultura e Patrimônio de Ouro Preto), Débora da Costa Queiroz (coordenadora do PAC Cidades Históricas em Ouro Preto), Efraim Leopoldo Rocha (secretário de Cultura, Turismo e Patrimônio de Mariana), Maria Cristina Rocha Simão (professora do curso superior de Tecnologia em Conservação e Restauro do IFMG Campus Ouro Preto e pesquisadora do Laboratório de Direito Urbanístico – LADU/ UFRJ), Deise Cavalcante Lustosa (diretora do Museu da Inconfidência), Márcia Arcuri (chefe do Departamento de Museologia da UFOP-DEMUL/EDTM), Ingrid da Silva Borges (diretora executiva do Sistema de Museus de Ouro Preto), Hermano Fabrício O. Guanais e Queiroz (diretor do Departamento de Patrimônio Imaterial/IPHAN), Natália Brayner (coordenadora de Apoio a Bens Registrados do Departamento de Patrimônio Imaterial/IPHAN), Maria Elisabete Costa (chefe da Divisão de Pesquisa do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular), Beatriz Muniz Freire (técnica da Superintendência do IPHAN do Rio Grande do Sul) e João Paulo Martins (diretor do Programa de Patrimônio Imaterial de Ouro Preto).

Para as oficinas, o IPHAN Ouro Preto traz o antropólogo José Marcio Barros, Dr. em Comunicação e Cultura pela UFRJ, professor do Mestrado em Comunicação da PUC Minas, coordenador da Pós-graduação em Gestão Cultural da UEMG e professor do Mestrado e Doutorado em Comunicação e Cultura da UFBA, acompanhado por Débora de Viveiros Pereira, historiadora pela PUC Minas, com especialização em História da Arte Sacra pela Faculdade Arquidiocesana de Mariana (2013) e mestranda em Cultura e Sociedade na UFBA para a oficina Cidade, memória, afetos e afetações, de 7 a 10 de julho. O objetivo é explorar, por meio da fotografia e do áudio, a memória oral de seus moradores, os objetos biográficos que habitam os espaços da casa e os objetos narrativos no espaço público,  de modo a revelar o afeto que a cidade desperta em seus moradores e a afetação, a imposição exacerbada, de um modo de ser e estar na história.

Já na oficina Nas veias de Ouro Preto, ministrada pelo geógrafo e fotógrafo Lucas de Godoy, pelo historiador e especialista em Barroco Mineiro pela Ufop André Castanheira Maia, e pelo fotógrafo e documentarista Marcello Nicolato, quatro rios de Ouro Preto (Tripuí, Caquente, Velhas e Gualaxo) são o fio condutor da experiência de redescoberta dos cursos d’água e da percepção do ambiente. O resultado final da oficina é um curta metragem realizado pelos alunos e ministrantes.

As inscrições para as atividades do IPHAN Ouro Preto no Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana podem ser feitas neste link: https://www.sympla.com.br/festivaldeinverno2018

Programação das atividades do IPHAN de Ouro Preto

Seminário – 80 anos de Ouro Preto Patrimônio Nacional: desafios e perspectivas

O Conjunto Arquitetônico e Urbanístico da Cidade de Ouro Preto foi tombado, em 20 de abril de 1938, e inscrito no Livro do Tombo das Belas Artes. Desde a criação do IPHAN, em 1937, sua atuação em Ouro Preto se iniciou, servindo como referência para as várias definições conceituais, a partir de embates internos e soluções práticas para problemas que surgiram no cotidiano da cidade. Nesse viés, o tratamento dado aos conjuntos urbanos tombados consolidou conceitos que balizam a ação institucional desde então.

A partir da constituição de 1988, o campo do patrimônio se ampliou, com a inserção da dimensão imaterial do patrimônio cultural, que passa a cuidar dos bens portadores de referência, ação, identidade e memória dos diferente grupos que formam a sociedade brasileira.

Portanto, 80 anos depois do tombamento, a partir da integração dessas duas dimensões, patrimônio imaterial e material, propomos nesses dois dias de seminário trazer reflexões sobre os desafios da proteção desse conjunto urbano, olhando o patrimônio nas suas mais variadas nuances de forma integral visando o desenvolvimento integrado da área cultural e econômica.

Vagas: 150

Realização: 10 e 11 de julho de 2018 – de 9h às 12h, das 14h às 18h

Público: profissionais atuantes na área de patrimônio imaterial, alunos do curso de museologia, história e turismo, comunidade em geral.

Local: Salão São João del-Rei – Centro de Artes e Convenções da Ufop – Ouro Preto

 

10 de julho – sexta-feira

9h – Abertura

9h30 – Mesa 1 – Ouro Preto: 80 anos de tombamento. O papel da União, do Estado e do Município na preservação

  • George Alex da Guia – Analista de infraestrutura em exercício descentralizado no Departamento do Patrimônio Material e Fiscalização-DEPAM/IPHAN
  • Michele Abreu Arroyo- Presidente do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas GeraisN

·

  • Zaqueu Astoni Moreira – Secretário de Cultura e Patrimônio de Ouro Preto

Mediador: Maria Cristina Cairo Silva – Superintendente da Secretaria de Cultura e Patrimônio de Ouro Preto.

14h – Mesa 2 – A municipalidade e o desafio da inserção da preservação no desenvolvimento regional

  • Débora da Costa Queiroz – Coordenadora do PAC Cidades Históricas em Ouro Preto
  • Efraim Rocha- Secretário de Cultura e Turismo e Patrimônio da Prefeitura de Mariana

  • Maria Cristina Rocha Simão – Professora do Curso Superior de Tecnologia em Conservação e Restauro do IFMG Campus Ouro Preto e pesquisadora do Laboratório de Direito Urbanístico – LADU/ UFRJ

Mediador: Sandra Maria Antunes Nogueira – Professora adjunta do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Ouro Preto

16h15 – Mesa 3 – Museu e a consolidação do destino turístico da cidade – discutir a atuação de museus na cidade, como agente de preservação, de difusão e de fomento a atividade turística

  • Deise Cavalcante Lustosa – Diretora do Museu da Inconfidência
  • Márcia Arcuri – Chefe do Departamento de Museologia da UFOP-DEMUL/EDTM
  • Ingrid da Silva Borges – Diretora Executiva do Sistema de Museus de Ouro Preto.

Mediador: Célia Maria Corsino – Superintendente do IPHAN em Minas Gerais

11 de julho – quarta-feira

9h – Mesa 4

  • Políticas públicas de Salvaguarda do Patrimônio Imaterial e suas interseções com a cidade – IPHAN – Diretor do Departamento de Patrimônio Imaterial/IPHAN– Hermano Fabrício O. Guanais e Queiroz
  • O lugar como “intangível” na paisagem cultural. – Natália Brayner – Coordenadora de Apoio a Bens Registrados do Departamento de Patrimônio Imaterial/IPHAN

Mediações: Maria Cecília Londres Fonseca-

14h – Mesa 5 – tarde

  • Cultura popular e patrimônio nas cidades contemporâneas – Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular (CNFCP) – Maria Elisabete Costa – Chefe da Divisão de Pesquisa do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular.
  • Caso Pelotas – processo de registro das tradições doceira na região de Pelotas e antiga Pelotas – Beatriz Muniz Freire – Técnica da Superintendência do IPHAN do Rio Grande do Sul
  • A Política de Patrimônio Imaterial do Município de Ouro Preto – João Paulo Martins – Diretor do Programa de Patrimônio Imaterial de Ouro Preto

Mediação – Célia Maria Corsino – Superintendente do IPHAN em Minas Gerais

Oficina: Cidade, memória, afetos e afetações

Em tempos de memórias dispersas e tornadas rasas pela cultura digital, a oficina pretende explorar as possibilidades de se reconhecer, registrar e disponibilizar, os modos como, nos diversos territórios públicos e privados de Ouro Preto, cidade e cidadãos se afetam. O objetivo é explorar, por meio da fotografia e do áudio, a memória oral de seus moradores, os objetos biográficos que habitam os espaços da casa e os objetos narrativos no espaço público,  de modo a revelar o afeto que a cidade desperta em seus moradores e a afetação, a imposição exacerbada, de um modo de ser e estar na história. O que se busca é explorar o sentimento afetuoso e afetado de ser e estar em Ouro Preto. Compreender como a cidade nos seduz, mas também, como a cidade nos devora.

Ministrantes: José Márcio Barros e Débora de Viveiros Pereira

Período: 7, 8, 9 e 10 de julho (de sábado a terça)

Público: professores, estudantes e interessados em geral na questão da memória, acima de 15 anos e com disponibilidade para trabalho de campo (são oferecidas 25 vagas, com mínimo de 10 alunos para a realização da oficina)

Material a ser providenciado pelo aluno: câmera fotográfica digital e/ou telefone com câmera digital de qualidade

Oficina: Nas veias de Ouro Preto

Os participantes são convidados a conhecer a história de Ouro Preto a partir da (re)descoberta dos seus cursos d’água. Os rios Tripuí,  o Caquende, o Velhas e o Rio Gualaxo serão o fio condutor. Por meio do audiovisual e da fotografia, os participantes serão guiados pelos quatro roteiros para percepção do ambiente e captura de material audiovisual. A interação com os moradores do entorno dos rios e córregos visitados e as discussões sobre o Tropicalismo, tema do Festival, resultarão em um curta metragem.

Ministrantes: Lucas de Godoy, André Castanheira Maia e Marcello Nicolato

Período: 9 a 12 de julho (segunda a quinta-feira), das 8h às 12h e das 14h às 18h

Público: maiores de 16 anos (são oferecidas 40 vagas)

Material a ser providenciado pelo aluno: câmera fotográfica digital e/ou telefone com câmera digital, roupas confortáveis para caminhada e acessórios gerais de caminhada (cantil, canivete, primeiros socorros, alimentos leves)

A criançada não fica de fora

do Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana

 

Atividades voltadas para o público infantojuvenil

e reflexões sobre Arte/Educação marcam presença na programação

Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana 2018 oferece muitas atividades para as crianças e adolescentes que estarão nas cidades entre os dias 6 e 22 de julho. Tem música, espetáculos circenses, teatro e oficinas, selecionados pela curadoria Infantojuvenil.

No dia 08/07, às 15h, o show Pop Leco vai animar a criançada na Praça Tiradentes. A apresentação faz parte da Semana da Cidade, que comemora o aniversário de Ouro Preto. O circo chega a Ouro Preto, no dia 12/07, às 16h, no adro da Igreja de São Francisco de Assis, com Los Circo Los e o espetáculo Versão Brasileira, que será apresentado também no dia 13/07, às 10h, no ICSA, em Mariana. Nos dias 13, 14 e 15/07, às 17h, é a vez do espetáculo Tamanho Família, com a mostra do Projeto Circo da Gente – OCA/Ufop, na estação ferroviária de Ouro Preto. Ainda no dia 14/07, Beatriz Myrrha traz o espetáculo Histórias de Felicidadesàs 19h, no Centro de Convenções da Ufop (ingressos a R$10,00). Em 11/07, a Cia. Circunstância leva ao ICSA, em Mariana, o espetáculo De Mala às Artes, às 10h. No distrito de Lavras Novas, a Cia Curta Companhia apresenta o espetáculo O nariz que conta história, às 15h.

As oficinas selecionadas pela curadoria Infantojuvenil oferecem atividades especiais para esse público. Com Alice Giffoni, Bruna Melo, César Pereira, Dâmaris Fonseca, Pedro Mageste e Poliana Àvila, a oficina O que você quer saber sobre o corpo humano? acontece nos dias 11 e 12/07 na Escola Estadual Izaura Mendes, com foco nos porquês das crianças e no incentivo às descobertas. Tábatta Iori traz a oficina Criando com sombras, no dia 8/07, na Sala 35 da Escola de Minas (Praça Tiradentes), com iniciação ao teatro de sombras e a construção de enredos e cenários. Já Violeta Vaz Penna oferece a oficina Uma dança para você, de 9 a 11/07, na Tenda da Ufop, na estação ferroviária, com foco na dança para o público jovem. Em Ludi-cidade: o lúdico no espaço urbano, Carla Gontijo busca o diálogo entre a dança e a cidade, de 16 a 18/07, na Sala 35 da Escola de Minas (Praça Tiradentes) (inscrições a R$10,00). O Setor Educativo do Museu da Inconfidência oferece a oficina Ouro Preto – Paisagens psicodélicas, de 16 a 20/07, na Escola Estadual Dom Veloso, para crianças e adolescentes, com discussão sobre o movimento tropicalista e percepção visual do espaço de Ouro Preto.

 

Para conhecer e apreciar a exuberante natureza que cerca a histórica Ouro Preto, o Circuito Natureza oferece caminhadas nos dois principais parques da cidade. No dia 08/07, às 10h, crianças acima de 8 anos podem conhecer as trilhas do Parque Estadual do Itacolomy. Crianças da rede pública de ensino visitam o Parque do Itacolomy nos dias 9 e 10/07, às 9h30; e o Parque Municipal das Andorinhas, nos dias 11 e 12/07, também às 9h30.

As inscrições para as oficinas e para o Circuito Natureza são realizadas no site www.festivaldeinverno.ufop.br.

Para o 6º Encontro de Arte/Educação de Ouro Preto, nos dias 12 e 13/07, no Centro de Convenções da Ufop, são oferecidas 150 vagas, destinadas a profissionais da área e ao público interessado. O objetivo é discutir e analisar práticas da Arte/Educação dentro e fora do ambiente escolar, por meio de palestras, debates e comunicações.

Confira a programação:

12 de julho

14h – O Festival de Inverno e o Encontro de Arte/Educação – Persistência e Resistência – Emerson de Paula e César Teixeira

14h30 – Teatro (Educação): (Contra guerrilhas poéticas) – Acevesmoreno Flores Piegaz e Flávio Gonçalves

16h – A Criatividade da Criança – Tiago Cruvinel e Jeanne Botelho

17h – Lançamento de livros

13 de julho

09h – Corpos Negros e infâncias: o teatro como resistência à invisibilização – Winny Rocha e Letícia Afonso

10h30 – Apresentação dos inscritos no Grupos Temáticos – 1. Corpo, Som e Educação: Experimentos e Propostas; 2. Arte/Educação e Espaços Não formais – Mediação Flávio Gonçalves

14h – A Música em Cena: O Rap e o Funk na socialização da Juventude – Juarez Dayrell e Letícia Afonso

15h30 – Arte Indígena na Escola: da Opressão à Cosmopolítica – Tales Bedeschi e Christine Ferreira Azzi

17h – Lançamento de livros

O Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana – Fórum das Artes 2018 é uma realização da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), em parceria com a Fundação Educativa Ouro Preto (Feop) e as Prefeituras de Ouro Preto e João Monlevade. Mais informações estarão disponíveis nos sites www.ufop.br e www.festivaldeinverno.ufop.br.

Serviço

Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana – Fórum das Artes 2018

Programação Infantojuvenil

Ouro Preto e Mariana

6 a 22 de julho

Vasta programação gratuita ou a preços módicos (R$10)

Festival de Inverno – Fórum das Artes 2018 – João Monlevade

Ouro Preto

9 a 14 de julho

 

Site do Festivalfestivaldeinverno.ufop.br

Fotos de edições passadasflickr.com/festivaldeinverno/

____________________

Assessoria de Imprensa: Converso Comunicação

Aline Monteiro: (31) 99347-2319

Ana Paula Martins: (31)  98916-8443

 

Superintendência de Atos, Chancelaria e Memória

Departamento de Comunicação
(31) 3559-3286
Nossas mídias sociais:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *