Belo Horizonte é candidata a Cidade Criativa da Gastronomia pela Unesco

Agenda Cultural, Em Belo Horizonte , , , , , ,

A candidatura de Belo Horizonte como Cidade Criativa da Gastronomia pela Unesco foi lançada nesta terça-feira, 16/10, pela Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Belotur. A escolha será realizada em junho de 2019 e a capital mineira terá como embaixador o premiado chef belo-horizontino Léo Paixão. O anúncio da candidatura foi feito no encontro “Cidades Criativas: Turismo e Gastronomia”, evento promovido na sede da Prefeitura.

De acordo com o presidente da Belotur, Aluizer Malab, o próximo passo é a construção de um dossiê que vai reunir os projetos do Poder Público e do setor privado que fazem com que Belo Horizonte se destaque no setor. Malab explicou que ações do Programa Municipal de Turismo Gastronômico serão elaboradas estrategicamente pela Belotur com o apoio técnico da Comissão de Gastronomia do Conselho Municipal de Turismo (Comtur) e da Frente da Gastronomia Mineira.

O processo será feito em parceria com órgãos, entidades, empresas e universidades para que os frutos desse intercâmbio de conhecimento possam se refletir na prática das atividades turísticas em Belo Horizonte e consequentemente no sucesso da candidatura. A iniciativa busca colocar a gastronomia da cidade como fator de competitividade entre os destinos turísticos nacionais e internacionais.

“Essa candidatura significa um processo de reconhecimento da riqueza da gastronomia que temos. E ela reforça um projeto de cidade que estamos construindo, mais sustentável e que valoriza o que é produzido aqui. Precisamos mostrar como Belo Horizonte é surpreendente também na gastronomia. Por isso, vamos montar esse dossiê de candidatura e apresentar tudo o que temos, desde a infinidade de festivais, até a força do nosso café, da cachaça, da cerveja, dos restaurantes”, afirmou Aluizer Malab. “A partir do momento que você tem a experiência como um dos objetivos principais do turista, nada melhor do que apresentar essa gastronomia forte, para que as pessoas possam, por meio do paladar, descobrir e apreciar nossas raízes”, completou.

O embaixador Léo Paixão também destacou a relevância que um título como esse pode trazer para o Município. “Belo Horizonte é o centro gastronômico de Minas, que é o estado mais importante gastronomicamente do Brasil. Essa candidatura vai ser ótima para gerar turismo, fomentar a gastronomia e desenvolver ainda mais o setor”, considerou.

O chef explicou, ainda, que o trabalho necessário para que o título venha para Belo Horizonte é a união. “Precisamos unir toda a cadeia produtiva, dos produtores aos chefs, para mostrar a força da nossa gastronomia. Mostrar nossa técnica, tradição e criatividade. Com isso, vamos conseguir provar que a cozinha mineira é muito relevante e que o centro dessa cozinha é Belo Horizonte”, disse.

Cidades Criativas

A programação do encontro “Cidades Criativas: Turismo e Gastronomia” foi dedicada ao turismo gastronômico, tendo como foco justamente os destinos brasileiros que já possuem o reconhecimento de Cidade Criativa da Gastronomia da Unesco. O objetivo foi acompanhar esses cases de sucesso como exemplos a serem seguidos para a construção da candidatura de Belo Horizonte.

Estiveram presentes Marcus José Rocha, superintendente de Ciência, Tecnologia e Inovação da Secretaria Municipal de Turismo de Florianópolis, Cristina Maseda, secretária de Cultura de Paraty, Mônica Lobato, assessora da Companhia de Desenvolvimento e Administração da Área Metropolitana de Belém e Rosa Milagros Ochoa Koepke, diretora de Turismo do Escritório Comercial do Peru no Brasil.

Unesco

Desde 2004, a Rede de Cidades Criativas da Unesco ressalta a criatividade de seus membros dentro de sete áreas temáticas: Artesanato e Artes Folclóricas, Design, Cinema, Gastronomia, Literatura, Artes Midiáticas e Música. Atualmente, conta com um total de 180 cidades em 72 países, oito delas no Brasil: Belém (PA), Florianópolis (SC) e Paraty (RJ), no campo da gastronomia; Brasília (DF) e Curitiba (PR), no do design; João Pessoa (PB), em artesanato e artes folclóricas; Salvador (BA), na música; e Santos (SP), no cinema.

O programa tem o objetivo de promover a cooperação internacional entre cidades que investem na cultura e na criatividade como fatores de estímulo ao desenvolvimento sustentável. Para integrar a rede, a cidade deve preparar um plano de desenvolvimento no campo criativo em que a cidade se candidatou. O processo de seleção é feito por dois comitês: um técnico, com representação em cada categoria, designado pela Unesco;  e um comitê de representantes das cidades já integrantes da Rede, em cada categoria.

A candidatura deve demonstrar, de forma clara e prática, a disposição, o compromisso e a capacidade da localidade em contribuir com os compromissos da Rede. É preciso ainda apresentar um plano de ação realístico, incluindo detalhamento de projetos, iniciativas e políticas a serem executadas nos quatro anos seguintes à admissão ao programa.

Foto de reprodução

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *